Hilda Alão

Escrever é uma forma de amar.

Textos

CACÓFATOS

 

Pensando como ensinar

Para uma criança evitar

A forma feia de grafar

Que provoca risos ao falar

 

O vício de linguagem

Cacófato que vem

Do grego cacofonia

Muito usado no dia-a-dia

 

De quem fala português

E que do cacófato é freguês.

Para isso escolhi umas frases

Dos alunos do Bloco H. (cagá)

 

Neste dia que o céu está cinza (celta cinza)

De matemática há maratona

Entre a equipe Nico (penico)

E a equipe Dreira (pedreira)

 

A notícia que a TV havia dado (aviadado)

Era a mesma dos jornais de hoje:

O governo confisca gado de fazenda (cagado)

No pantanal do Mato Grosso.

 

Só negam é cacófato

Pois gera sonegam

A quem impostos não paga

E não adianta: Desculpe então (pintão)

 

Porque o couro do devedor

O governo arranca.

Os meninos da rua de cima,

Como fizeram na vez passada (vespa assada)

 

Ganharam a corrida de obstáculo

Desde então sempre são convidados (dentão)

Para todos os eventos esportivos.

Sendo Anna a mascote do grupo

 

Maria passou batom na boca dela (cadela)

E a menina Anna tão linda ficou

Que o Oto exclamou:

Meu coração por ti gela (tigela)

 

Despertando o ciúme em Maria

Que colocou a culpa nela (panela)

E despedindo-se disse: vou-me já (mijá)

Porque o céu está preto. (celta preto)

 

21/07/22

(Maria Hilda de J. Alão)

 

 

 

Maria Hilda de Jesus Alão
Enviado por Maria Hilda de Jesus Alão em 21/07/2022


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras