Hilda Alão

Escrever é uma forma de amar.

Textos

ROMANCE CACOFÁTICO

Caro Sr. Caio Pinto  

Peço-lhe desculpas pelo meu atrevimento. Não me teria sentado ao lado da bela senhora se soubesse ser ela a sua digníssima mãe. A verdade seja dita, mulher boa como ela eu nunca vi.Não ponha a culpa nela, já que tinha eu feito sinal para a sua mesa me sentar. Ela tinha um sorriso nos lábios mostrando a fileira de alvos dentes e por cada beijo dela eu pagaria uma fortuna. Conversamos muito e durante a conversa percebi ser sua mãe a mulher que se disputa, nas ruas e nos salões, com espada em uma mão e uma rosa na outra. Digo-lhe que a dama não é uma mala e eu quero muito amá-la e mesmo que o senhor me parta a cara, um beijo hei de depositar na boca dela.Sua raiva é compreensível, mas não venha pôr com a mão areia nesse romance dizendo que é aventura e que não passa disso. Afastar-me dela, não pense nunca nisso. Saiba que sou bem intencionado e vi um brilho de reciprocidade nos olhos da nobre dama que será (como disse o poeta) a alma minha.O amor em mim abunda, disso a nobre dama não terá carência. Prometo dar a sua mãe o meu honrado nome, depois de tirar o Pinto que puseram nela entra o Carvalho que é meu.Agora quero a resposta do pedido que enviei pelo Sr. Davi Adão, o heroico brado de um homem apaixonado pedindo em casamento a gentil senhora. Não quero uma má notícia, quero o seu consentimento, pois vejo-me já amando e sendo amado. Ass. Armando O. Carvalho27/04/22(Maria Hilda de J. Alão)(Exercício: identifique no texto os cacófatos)

Maria Hilda de Jesus Alão
Enviado por Maria Hilda de Jesus Alão em 27/04/2022
Alterado em 09/06/2022


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras