Hilda Alão

Escrever é uma forma de amar.

Textos

O NAZARENO
Tinha, senhor, a fé perdida,
Quando no teu templo entrei;
Falei das agruras que passei
Nos duros caminhos da vida.

Estava quase destruída...
Ao céu minha prece elevei:
- Preciso de ti porque pequei,
Estou presa, não tem saída!

Respondeste com a esperança:
- Não chores, tudo é passado,
Levanta-te filha que adoro!

Eu sou perdão, não sou vingança:
Acolho-te anjo rebelado,
Cubro-te de bênçãos quando oro.

30/06/07.
(para uma amiga que encontrou o Nazareno)
Maria Hilda de Jesus Alão
Enviado por Maria Hilda de Jesus Alão em 30/06/2007
Alterado em 30/06/2007


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras